Home

Os benefícios para a saúde do azeite de oliva são incomparáveis, e pesquisas revelam mais benefícios quase todos os dias. Na verdade, estamos apenas começando a entender as inúmeras maneiras que o azeite de oliva pode melhorar nossa saúde e nossa vida. O azeite de oliva é a base da dieta mediterrânea – um esteio nutricional essencial para as culturas com maior longevidade do mundo. Muitos dos efeitos para a saúde da dieta mediterrânica são atribuídos ao consumo de azeite.

A substituição da manteiga e outras gorduras menos saudáveis pelo azeite de oliva mostra que ajuda na prevenção de várias doenças e minimiza os efeitos de doenças do envelhecimento. Cardiologistas proeminentes recomendam pelo menos duas colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem por dia, para desfrutar das muitas maneiras que o azeite de oliva pode beneficiar a sua saúde e bem estar.

Benefícios do azeite de oliva são tantos que é considerado um alimento funcional, com componentes que contribuem para as qualidades terapêuticas gerais, incluindo uma redução de fatores de risco de doença cardíaca coronária, a prevenção de diversos tipos de cânceres e alterações de respostas imunes e inflamatórias.

 Algumas doenças em que o uso de azeite de oliva tem demonstrado ser eficaz 

  • NCER

O fitonutriente do azeite de oliva, oleocanthal, imita o efeito do ibuprofeno na redução da inflamação, o que pode diminuir o risco de câncer de mama e sua recorrência. Esqualeno e lignanas são alguns outros componentes do azeite de oliva que estão sendo estudados por seus possíveis efeitos sobre o câncer.

AZEITE DE OLIVA AJUDA A PREVENIR O CÂNCER DE PELE 

Outro estudo recente constatou que o Azeite de Oliva, juntamente com outros componentes de uma dieta mediterrânea, pode contribuir para a prevenção do melanoma maligno. O tipo mais perigoso de câncer de pele, pode ser retardado pelo consumo de azeite de oliva que é rico em antioxidantes.

O uso de protetor solar continua a ser a melhor maneira de prevenir as queimaduras solares e proteger a pele dos efeitos nocivos dos raios UVA e UVB do sol. No entanto, há evidências de que consumir azeite de oliva e outros alimentos básicos da dieta mediterrânea, pode ajudar a combater o efeito oxidante do sol.

Apenas três em cada 100.000 residentes de países do Mediterrâneo desenvolvem qualquer tipo de câncer de pele. O número é baixo, especialmente quando se considera o clima quente da região. Na Austrália, o número é de 50 em cada 100.000 habitantes.

AZEITE DE OLIVA EXTRA VIRGEM PROTEGE CONTRA O CÂNCER DE MAMA

O câncer de mama é o tipo mais comum nos países ocidentais. Embora uma dieta rica em gorduras esteja diretamente relacionada a uma maior incidência de câncer, alguns tipos de gorduras podem realmente desempenhar um papel protetor contra o desenvolvimento desses tumores. Este é o caso do azeite de oliva extra virgem, rico em ácido oléico, um ácido graxo monoinsaturado e que também contém vários compostos bioativos, tais como antioxidantes.

A ingestão moderada e regular de azeite de oliva extra virgem, característica da dieta mediterrânea, está associada a uma baixa incidência de tipos específicos de câncer, incluindo câncer de mama, bem como com ter um papel protetor contra doenças coronárias e outros problemas de saúde.

  • DOENÇA CARDÍACA

Azeite de oliva reduz os níveis do colesterol total do sangue, LDL – colesterol e triglicerídeos. Ao mesmo tempo não altera os níveis de HDL- colesterol (e até pode aumentar), que desempenha um papel protetor e evita a formação de placas de gordura, estimulando assim a eliminação das lipoproteínas de baixa densidade.

Azeite de oliva pode ajudar a prevenir Acidente Vascular 

Os indivíduos com mais idade, que consomem azeite de oliva diariamente, estão mais protegidos de um acidente vascular cerebral, de acordo com um novo estudo publicado na França, na revista on-line “Neurology”.

Os pesquisadores reuniram informações dos prontuários de 7.625 indivíduos com mais de 65 anos de idade a partir de três cidades da França: Bordeaux, Dijon e Montpellier. Nenhum dos participantes tinha um histórico de acidente vascular cerebral. Eles foram classificados em três grupos com base no seu consumo de azeite de oliva. Os pesquisadores observaram que os participantes utilizavam, em sua maioria, o azeite de oliva extra virgem, normalmente disponível na França.

Após 5 anos houve 148 acidentes vasculares cerebrais. Os resultados mostraram que os usuários “intensivos” de azeite de oliva, aqueles que o usavam tanto para cozinhar ou como tempero, tiveram um risco 41% menor de AVC em comparação com aqueles que não usavam azeite de oliva em tudo. Estes resultados foram observados mesmo depois de considerar o peso, dieta, atividade física e outros fatores de risco.

Uma dieta rica em azeite de oliva pode ser capaz de retardar o processo de envelhecimento do coração.

É um fato conhecido que à medida que envelhecemos o coração também passa por um processo de envelhecimento normal. As artérias podem não funcionar tão bem como o fizeram anteriormente e isto pode conduzir a um número de problemas de saúde. No entanto, em um estudo recente, os pesquisadores espanhóis descobriram que uma dieta rica em azeite de oliva ou outras gorduras monoinsaturadas pode melhorar a função arterial de indivíduos idosos.

Estudos recentes indicam que o consumo regular de azeite de oliva pode ajudar a diminuir a pressão arterial sistólica e diastólica.

  • ESTRESSE OXIDATIVO

O azeite de oliva é rico em antioxidantes, especialmente vitamina E, que atua para minimizar o risco de câncer. Entre os óleos vegetais, o azeite de oliva é o que tem a mais alta quantidade de gordura monoinsaturada, que não oxida no corpo e é baixa em gordura poliinsaturada, o tipo que oxida.

  • DIABETES

Tem sido demonstrado que uma dieta rica em azeite de oliva, baixa em gorduras saturadas, moderadamente rica em carboidratos e fibras solúveis à base de frutas, verduras, legumes e grãos é a abordagem mais eficaz para os diabéticos. Ele ajuda a reduzir as lipoproteínas “ruins” de baixa densidade, enquanto melhora o controle de açúcar no sangue e melhora a sensibilidade à insulina

  • OBESIDADE

Embora ricos em calorias, o azeite tem mostrado que ajuda a reduzir os níveis de obesidade.

  • ARTRITE REUMATÓIDE 

Embora as razões ainda não sejam totalmente claras, estudos recentes têm demonstrado que pessoas com dietas contendo altos níveis de azeite são menos propensos a desenvolver artrite reumatóide.

  • OSTEOPOROSE

A osteoporose é uma doença caracterizada por uma diminuição da massa óssea, que torna por sua vez o tecido ósseo frágil. Isso pode aumentar o número de fraturas.

Suplementação com óleo de oliva foi indicado para aumentar a espessura dos ossos. O azeite não vai ser a única solução para a luta contínua contra a osteoporose pós-menopausa, mas os cientistas concluíram que ele é um ajudante muito promissor para futuros tratamentos da doença.

Um consumo elevado de azeite de oliva parece melhorar a mineralização óssea e calcificação. Isso ajuda a absorção de cálcio desempenhado assim, um papel importante na prevenção do aparecimento de osteoporose e na ajuda aos portadores de osteoporose.

  • DEPRESSÃO 

É de conhecimento comum que o azeite e a dieta mediterrânica conferem uma infinidade de benefícios à saúde. Mas o que dizer de benefícios para a saúde emocional?

De acordo com pesquisadores espanhóis da Universidade de Navarra e Las Palmas de Gran Canaria, uma dieta rica em azeite de oliva pode proteger da doença mental.

Pesquisadores descobriram recentemente que uma maior ingestão de azeite de oliva e gorduras poliinsaturadas encontradas em peixes e óleos vegetais foi associada a um menor risco de depressão. Os resultados sugerem que a doença cardiovascular e a depressão podem compartilhar alguns mecanismos comuns relacionados com a dieta adotada pelo paciente.